Risperidona prós e contras - Autismo entre mães

5 de março de 2018

Risperidona prós e contras





O assunto sobre medicação no autismo é polêmico pois não existe medicação especifica pra pessoas autistas. A medicação é introduzida por psiquiatra ou neurologista e serve pra aumentar a concentração da criança e deixa-la menos hiperativa. A maioria das mães dão medicações ao seu filho para que os mesmos possam dormir melhor e consequentemente elas dormirem também, afinal a maioria dos autistas tem distúrbios do sono e os pais vivem sem dormir. Esse post tem como finalidade relatar os prós e contras do medicamento chamado risperidona, que é um dos mais usados  crianças autistas.
A Risperidona foi originalmente concebida para tratar os ataques de violência ou raiva nas pessoas esquizofrênicas.
Deve ser lembrado, que a Risperidona não cura o autismo ou alguma outra doença neurológica.
Seu uso está direcionado para acalmar os ataques de irritabilidade, violência ou auto agressão em pessoas com distúrbios neurológicos como; esquizofrenia, transtorno bipolar, autismo, sí­ndrome de Tourette e transtorno obsessivo-convulsivo.

A ideia principal é que o paciente, medicado com Risperidona, fique mais calmo e tranquilo na hora de assistir a sua escola e assim ter um melhor aproveitamento de suas aulas ou terapias.

ESTA COMPROVADA A EFICIÊNCIA DA RISPERIDONA EM PACIENTES COM AUTISMO?
A experiencia da jornalista Andréa Werner Bonoli, mãe de Theo, possivelmente resume o caso de muitas fami­lias.
Resolvemos tentar medicação com Theo quando ele estava com 4 anos. Na época, ele apresentava muita hiperatividade e tinha birras muito fortes e duradouras. Iniciamos com o Abilify por indicação de um psiquiatra. Mesmo com a dose inicial bem pequena, nos primeiros três dias, parecia um milagre! Theo parou com os movimentos repetitivos e até o “iiiihhh” sumiu. Após os primeiros três dias, o efeito foi sumindo e o médico mandou aumentar a dose. E, ai, foi o inferno: Theo ficou hi­per agitado, parecia possuído. Depois disso, desistimos do Abilify. Apos ele, tentamos Esquidon [um similar à Risperidona], Risperdal comprimido e Risperidona lí­quida. E nada dos tais benefí­cios aparecerem. A única coisa que a Risperidona nos trouxe pra ele foi uma fome incontrolável, que nos forçava a ter que trancar a cozinha durante o dia. Depois veio o Neuleptil. Esse, além de não trazer benefícios, piorou a hipotonia do Theo [ele passou a babar]. E, ao aumentarmos a dose, vinha o famoso “efeito rebote” e ele ficava possuído de novo. Por fim, tentamos o Neozine. Pareceu controlar um pouco a hiperatividade e só. Ficamos com ele por quase um ano, até a mudança pra Londres. Foi onde notamos que ele não fazia mais efeito nenhum e resolvemos tirar. Atualmente, Theo só toma Melatonina na hora de dormir.

QUAIS SÃO OS PERIGOS DO USO DA RISPERIDONA EM PESSOAS AUTISTAS?
Os efeitos colaterais que podem ocorrer como resultado de ser medicado com Risperidona são os seguintes.
Insônia, náusea, ansiedade, tontura, hipotensão, rigidez muscular, dor muscular, tremores, aumento da salivação, ganho de peso e dificuldade de raciocínio.
Os efeitos em terapias de longo prazo são, transtorno extrapiramidal, dor de cabeça, inflamação da membrana da mucosa nasal, arritmia cardíaca, galactorreia, ginecomastia [desenvolvimento excessivo da glândula mamária no homem], miocardiopatia, menorragia, atrofia cerebral e disfunção ejaculatórias e erétil.
De todos estes efeitos colaterais, talvez a ginecomastia é um dos mais controversos em pacientes do sexo masculino.

Do outro lado da moeda, Gahan Pandina, diretor sênior de Jannsen Researh and Development. Menciona que o uso de Risperidona “é um compromisso entre os benefícios que você espera e os riscos para o paciente específico”.
Por esses “benefícios”, Jhonson & Jhonson [J&J] teve que pagar compensações milionárias a pacientes autistas por que a Risperidona causou neles ginecomastia e também ao governo dos estados Unidos pelo quesito de promoção ilegal da Risperidona.
A título de exemplo, J&J perdeu um caso perante um juiz na Filadélfia em 2015 onde Austin Pledger, foi compensado com a quantia de US $ 2,5 milhões pelos efeitos colaterais da Risperidona.

Fonte da pesquisa: https://www.google.com.br/amp/s/autismoconsejospracticos.com/risperidona-e-autismo/amp/

2 comentários:

  1. Nossa!Esses efeitos colaterais acabam com qualquer um.

    ResponderExcluir
  2. Oiiiie,
    Eita! como disse o comentário acima, os efeitos colaterais acaba mesmo com qualquer um, confesso que deu até um medo

    ResponderExcluir

Comentarios anônimos não serão aceitos